A cavidade uterina é revestida por um forro especial de células chamadas endométrio. Elas estão capacitadas para receber a influência dos hormônios ovarianos transformando-se durante o ciclo menstrual para uma gravidez, ou quando esta não acontece, o endométrio é eliminado na menstruação. Estas células do endométrio existem apenas dentro útero onde permanecem ativas até a menopausa.

Endometriose é quando estas células, por alguma razão ainda não estabelecida, se localizam fora do útero, ou seja, nos ovários, na bexiga, nos intestinos e peritônio (forro interno da cavidade abdominal). Nestas localizações também sofrem influências hormonais e “menstruam”, porém este sangue não escoa como na menstruação normal, desta forma se acumulam em pequenos cistos que podem evoluir chegando a grandes cistos, por vezes no ovários de conteúdo achocolatado chamado endometrioma ou escapam para a cavidade produzindo alterações irritativas e inflamatórias entre os órgãos pélvicos.

A endometriose é uma doença que atinge perto de 15% das mulheres em idade fértil, está associada em metade deste contingente à infertilidade.